Plus Size: O corpo certo do padrão



Já se perguntou ou parou para pensar porque existe o empoderamento Plus Size?
E porque que existe tanto preconceito e especialistas de plantão nas redes sociais que opinam e até brigam por ser contra isso? Não né? Eu sei que não. 

Para inicio desta conversa, deixe a mente aberta e imagine todas as pessoas deste mundo, elas são de formas distintas, tanto de peso quanto para altura e fisionomia...  Vamos supor que você (isso, você mesmo), queira implantar um padrão corporal em mim, apenas porque você acha que é o certo. Somos diferentes, se eu fizesse o mesmo contigo, não iria gostar.



O termo Plus Size (tamanho maior) apareceu pela primeira vez em 1920, quando uma estilista norte-americana, que ao produzir as peças para gestantes, percebeu que os fabricantes ignoravam completamente o corpo robusto. Com isso, mediu diversas clientes e pela primeira vez, fez uma coleção completa de roupas plus, confortáveis, com estilo e qualidade.

O corpo feminino se moldou ao longo dos séculos, desde a Grécia antiga.
Fiquem pasmos em saber, mas os corpos gordos eram o padrão de diversas épocas. Na antiguidade, era sinônimo de grande fertilidade, no renascimento, eram perfeitas para as pinturas e a arte. Nunca repararam que nos quadros de época, as mulheres tinham a maravilhosa "pancinha"?

 Daí em diante, começa a modificações, mas não do corpo, ah não, as mulheres precisava realçar ainda mais a beleza. A industria e as tecnologias desencadearam um processo, criando aquilo de acordo com a necessidade do individuo. Mas o homem não tem jeito, confundiu as coisas, virou consumidor em massa e alienaram a coisa toda.

No século XIX foi a vez do espartilho (o corpo gordo ainda era padrão meu querido), a cintura fininha dando contraste as pernocas e braços carnudos eram o auge. Marilyn Monroe era o ícone dessa época.

A beleza feminina lida com as consequências de uma mercantilização, o corpo foi transformado em ‘arma’ para a publicidade e vulgarizado, com um mínimo de roupa e chegando a década de 60, o corpo magro deu sua vez, a magreza extrema com certa fragilidade deu seu ponto.

Cr. Edull.ardo
"A preocupação com a saúde e a beleza esteve sempre presente nas culturas, contudo, nos dias de hoje com a pressão perante o mercado sob a rotina, as várias tentações da vaidade dominam, deixando as cobranças sociais sobre um corpo perfeito e dentro do padrão sejam estabelecidos como ideal. (FERREIRA, 2010)"

A preocupação excessiva com a imagem, valorizando demais a beleza, a magreza e a juventude, tendo imposto um estereotipado padrão de beleza feminina trás um efeito causado pela indústria
 do consumo, na sociedade, trazendo lhes mais crescimento e sucesso.

Em resumo, o termo Plus Size é considerado para aqueles que usam acima de 48, não acho que deveria ser especificado para um grupo. Não somos uma minoria.

Hoje, mulheres e homens lutam diariamente para a auto aceitação, corpo livre e contra a homofobia. Todos temos um padrão, cada um com o seu. Se sente bem com seu corpo? Isso que importa











Um comentário:

  1. Cake, você é muito maravilhosa! Adorei o banho de esclarecimento sobre o assunto e já até peço licença pra usar como base pra uma das minhas fanfics que tem como personagem principal uma mulher de corpo avantajado que se sente insegura em ser modelo para o seu amigo pintor, justamente por ter o corpo grande...

    ResponderExcluir

© Uma Jornada Com Café - 2018 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Renata Massa | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo