Você acordou e, ao olhar no espelho, percebe que está invisível



Foto: Mademoiselle Loves Books


Ela sabia que era difícil, apenas ela entendia como aquilo doía. Amizades falsas, as que se afastam as que estão quando você precisa, não estão lá.
Mas ela sabia, porque doía.

E ninguém mais irá entender o quanto é difícil ser invisível, não ser aceita, ser dilacerada por dentro com palavras cruéis, por isso ela estava invisível. Acordou numa segunda feira sem disposição para enfrentar o mundo, arrastou seus pés para o banheiro e ao se olhar no espelho, percebeu que aquela garota alegre já não existia, estava invisível.

Tomou um banho curto, penteou seu cabelo e chorou, chorou baixinho para ninguém escutar, para não ter quer dar explicação, respirou fundo e disse para si mesma que a noite logo chegaria e então poderia voltar para a cama.
Já não sabia o que estava mais bagunçada, sua vida, seu coração, sua família ou sua alma. Todo tem problemas, certo? Mas porque ela deveria continuar ajudando aos outros se ninguém se interessava a ajuda-la?  

Doía muito, havia momentos que queria apenas chorar e ficar na cama, na sua mente, todos a odiavam. Depressão e ansiedade eram suas companheiras mais fiéis, mas não as mais divertidas.  O mundo desaba para todos, ninguém é forte o tempo todo, algumas pessoas se sentem vazias, por que é assim?
As coisas a sua volta lhe davam medo, viver era arrepiante, pensamentos acelerados lhe davam dor de cabeça, mas o que podia fazer?

- Oh menina, chora, chora mesmo, pois é a única que vai sentir essa dor – Era o que sua mente dizia

- Um dia as coisas irão melhorar, não desanime – Dizia seu coração.

-Não há motivos pra você ficar assim, isso é besteira, porque chora tanto? – Diziam as pessoas

Eu só peço pra ficar bem, devia sorrir mais, viver mais, por que é tão difícil?  Dizia ela para si mesma

Seu reflexo era o retrato da solidão. Ela já não sabia qual era seu destino, seu caminho, tudo o que já fizera eram planos de outros e não havia amor naquilo que fazia.

Seu reflexo no espelho, não tinha nome, não tinha idade, não tinha destino, não existia.



2 comentários:

© Uma Jornada Com Café - 2018 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Renata Massa | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo